Facebook Twitter

E.R.

Josep M. Benet i Jornet
E. R.
MARIA Um momento. Eu ainda não falei de mim e da minha esplêndida carreira. Vou ser breve porque estou cansada e nenhuma das duas me vai dar troco. (As outras olham se, talvez se virem as costas, ou se sentem em silêncio.) Obrigada. A minha estupenda carreira. Então, antes daquele final de Primavera de que falava a Glòria, pensava ser actriz. Pensávamos as quatro. Nós as três… e ela. Mas o Verão acabou e eu fui parar às dobragens. E por lá fiquei. Dou a minha voz a uma actriz de verdade, mudo a língua dela pela minha, procuro fazê-lo bem. Sou uma grande profissional. Também dirijo as vozes que dobram outros actores e actrizes. E também procuro fazê-lo bem. Já sei o que estão a pensar. Uma tarefa baixa, uma tarefa quase indigna. Pelo menos indigna de vocês. Um trabalho, aliás, bem efémero. Há cem anos as dobragens não existiam. E aqui a cem anos, penso eu, não quero ser profeta, também não hão-de existir. Haverá outra maneira, sei lá qual. Nessa altura, alguém vai encontrar a palavra “dobragem” num sítio qualquer, mas não a vai perceber. Terá acabado. Pode ser que aconteça assim. Oh, que pena! Não vos dá pena? Lamento muito, mas sou o vosso espelho. Podem zangar-se, podem discutir qual das duas teve mais noites triunfais, mas tudo passará, vocês e a vossa memória, assim como a memória das grandes ou pequenas obras que tenham representado. Porque é que não sossegam? Vamos lá, deixem correr o tempo e até Shakespeare desaparecerá. Shakespeare? É uma questão de tempo. (Pausa.) Não há futuro. Nada é imortal. E vocês no fundo supõem o contrário. Não, lamento. Nada. Saber isto ajuda a levar a vida com uma certa serenidade e sem ressentimentos. Sem qualquer ressentimento por histórias antigas de tempos passados. (Pausa.) Bem, pode ser que fique sempre um pouco de ressentimento. (Pausa.) Mudando de assunto. Sabes o que se diz de ti, Glòria? Que és frígida. E sabes o que se diz de ti, Assumpta? Que passaste por cima de toda a gente que se cruzou no teu caminho. (Pausa.) Agora podem-se ir embora. Boa noite.


Traduït per Ângelo Ferreira de Sousa
Josep M. Benet i Jornet, E. R.. Disponible a la pàgina web de Catalandrama
Josep M. Benet i Jornet
Comentaris sobre obres
Baixar a l’abisme
per Maria Khatziemmanuïl
Desig (1989)
per Enric Gallén
Fragments
Desig
Deutsch | Elinikà | English | Español | Français | Português
E. R.
English | Español | Français | Português
Fugaç
Deutsch | English | Français
Soterrani
Español | Français | Italiano | Txec
Testament
Deutsch | English | Français
Ressenyes
Bibliografia
Cercador d’autors
A-B-C-D - E-F-G - H - I
J - K - L - M - N - O - P - Q - R
S-T-U-V-W-X-Y-Z
Traduccions de la literatura catalana
Podeu consultar més pàgines sobre la literatura catalana en traducció a:
Amb el suport de: